ACUSADOS DE CRIMES ELEITORAIS EM SAQUAREMA, COMEÇAM A SER OUVIDOS

13 SET 2017
13 de Setembro de 2017

A Justiça Eleitoral começou a ouvir nesta terça-feira  os investigados e testemunhas de um esquema de compra de votos nas eleições no ano passado em Saquarema. Ao todo, 48 pessoas, entre elas três vereadores em exercício, são julgadas por crimes eleitorais. A Polícia Federal prendeu os investigados durante uma operação em outubro de 2016. Segundo o TSE, os acusados, incluindo o presidente da Câmara dos Vereadores, Romacart Azeredo de Souza; o vice-presidente, Vanildo Siqueira da Silva "Kilinho"; e o vereador Paulo Renato Teixeira Ribeiro, são julgados pelos crimes de boca de urna e corrupção eleitoral. Em outubro do ano passado, uma operação da Polícia Federal desarticulou grupos criminosos de políticos que, segundo investigações, exerciam cargos públicos na base do coronelismo, captando votos em troca de benefícios irregulares. Ainda de acordo com as investigações, os acusados poderiam ser indiciados por captação de sufrágio (corrupção eleitoral), com pena de reclusão até 4 anos; associação criminosa, com reclusão de 1 a 3 anos; transporte irregular de eleitores, com reclusão de 4 a 6 anos; boca de urna, pena de 6 meses a um ano; e crime de falsidade do atestado médico, com pena de 1 mês a 1 ano.

Voltar